Conhecendo um pouco mais sobre Ginecologia

Conhecendo um pouco mais sobre Ginecologia

O ginecologista é o especialista que cuida do aparelho reprodutor feminino. O profissional identifica e trata doenças associadas ao útero, vagina, vulva, trompas, ovários e mamas. A consulta ginecológica anual é indispensável para monitorar a saúde da mulher, da primeira menstruação até uma idade mais avançada.

Entre muitos tratamentos, os ginecologistas são indicados para cuidar de:

• Candidíase
• Cólica
• Endometriose
• Mioma
• Ovários policísticos
• Câncer de mama
• Orientação anticoncepcional
• Orientação na reposição hormonal
• Avaliação e indicação de laser vaginal para atrofia ou relaxamento vaginal e incontinência urinária

Na consulta habitualmente se faz a coleta do exame citopatológico do colo do útero (Papanicolau) e solicitação de exames na dependência das queixas e faixa etária da mulher.

Cosmética genital:

As motivações para a cirurgia cosmética genital tipicamente se encontram em três categorias, sendo elas: física, psicológica ou sexual. As queixas físicas incluem a dispareunia (dor na relação sexual), desconforto, irritação e atrito. As queixas psicológicas podem incluir desagrado, embaraço e vergonhas com a própria aparência e as queixas sexuais incluem diminuição da sensibilidade, redução do orgasmo e percepção da diminuição da satisfação do parceiro.

Quais os tratamentos disponíveis?

Bioplastia genital com preenchimentos, peelings genitais, clareamentos inguinais e vulvar, rejuvenescimento genital com laser, labioplastia redutora, vaginoplastia e perineoplastia.

Recentemente o laser fracionado vem sendo utilizado para o tratamento da incontinência urinaria e no tratamento do alargamento vaginal, tornando a vagina mais justa, sem necessidade de cirurgia.

Para as pacientes na pós menopausa espontânea ou provocada, que não podem ou não querem fazer uso de hormônios tópicos ou sistêmicos, o laser fracionado de érbio apresenta excelente resultado após 2 a 3 sessões a cada 30 dias, com efeitos mantidos por pelo menos 12 meses.

Por: Dra. Ana Rosa de Oliveira

Comentar

Seu e-mail não será divulgado

× Como posso te ajudar?